Vitrine_Post_XI_ROMEII

Estratégia em tempo real compõe uma sistemática de jogo que já fez muito sucesso, e os aficionados pelo tema, formados anos atrás continuam atrás de novo material.

Hoje, preciso fazer uma indicação bem pessoal. Manja aquele jogo que você joga quando não tem mais nada pra jogar ou quando está dando um tempo de um jogo para o outro, ou até quando fala, -ah.. vou jogar alguma coisa-. Pois é. É assim que é este jogo pra mim. Mas antes de falar dele, vamos lembrar de outros títulos que foram tão bons quanto no passado.

Acredito que o primeiro jogo que eu tenha conhecido dentro do tema RTS (Real Time Strategy) foi o tão saudoso Age Of Empires. Neste pequeno jogo de mecânica simples porém com várias possibilidades, era possível se sentir no comando. Regras Básicas: Ordene seus aldeões, colete recursos, construa, pesquise, evolua e acabe com o seu adversário, pelo resplendor de sua cidade ou pela força de seu exército. A população máxima era de 150 unidades, entre aldeões, embarcações e guerreiros, mas o baixo número de modelos no campo não baixava o ânimo e a empolgação do jogador. Neste jogo precisávamos usar a inteligência, para usar a madeira, ouro, pedra e comida da melhor maneira possível, para construir e pesquisar as tecnologias certas para cada momento, e principalmente para se defender dos malditos ataques alheios. É claro que tudo pode ficar mais fácil ao se digitar um certo código e fazer aparecer o carro do Super Máquina no campo with lasers, mas Ok, Qual jogo não tem trapacinhas? Age evoluiu e envelheceu bem, lançando milhões de versões e expansões como Age Of Empires II: Age of the Kings, Age of Mythology, Age Of empires III e por aí vai.

IMAG_Post_ROMEII_1

Experimentei então o primeiro passo na evolução deste conceito RTS ao jogar Company of Heroes. Aclamado por muitos fóruns e sites especializados como o RTS da VIDA, este é um Age Of Empires (não dos mesmos criadores, é claro) com gráficos superiores e ambientado na segunda guerra mundial, um dos temas favoritos do Tio Sam Mundo. A mecânica do jogo te força a criar a melhor estratégia para expedir os recursos que são ganhos apenas ao conquistar pontos de concentração dos rivais. Isso te empurra para a ganancia, e dizimar seus inimigos para obter suas terras, torna-se uma agradabilíssima atividade.

IMAG_Post_ROMEII_2

Mas após muitos, eu disse, muitos jogos do Gênero, finalmente acredito ter achado o definitivo (pelo menos para mim). A Algum tempo a nossa saudosa amiga SEGA iniciou uma franquia chamada TOTAL WAR, onde a ideia, além de criar um belo jogo, era trazer o jogador o mais próximo possível de uma verdadeira batalha entre exércitos. Entre grandes exércitos, como aprendemos com os livros de história e com Senhor Dos Anéis. Tentar recriar este tipo de ambiente num jogo com as limitações de um jogo (diga-se processador, placa de vídeo, e whatever) seria bem complicado. Todos os RTS que já joguei trabalham com um “Limite populacional para que o processador da sua máquina não exploda com milhões de soldadinhos lutando ao mesmo tempo. Pois bem, não sei como, mas utilizando de um gráfico realista o suficiente a série Total War cumpriu a promessa e trouxe exatamente isso. Com vários títulos como Rome, Shogun I e II, Medieval I e II, Empire e Napoleon, finalmente a série chega com seu mais recente episódio!

Rome II nos leva de volta ao império romano, porém agora com gráficos de nova geração e a possibilidade de criar a administrar um império ainda maior do que os seus antecessores.
As possibilidades de Rome II chegam a ser absurdas necessitando um alto nível de organização da parte do jogador para lidar com tantas ferramentas e tantas variáveis. O interessante é que apesar dos pesares, este não é um jogo 100% RTS, visto que nas partes onde você de fato administra o seu império, o jogo funciona no sistema de turnos, deixando a pegada do tempo real apenas para a hora mais legal que é a hora da guerra (vide o nome do jogo…)

Aqui, Rome II nos apresenta a diversas culturas diferentes (Além de Roma é claro), como as terras Helênicas de Esparta, Atenas e Creta, Macedônia, mais ao leste, Carthago, mais ao oeste, Pérsia e ao norte, os bárbaros germânicos, Gauleses, e Bretões. É simplesmente sensacional, a maneira como o jogo traz não só os estilos de arquitetura de cada uma destas regiões, como também mostra em detalhes muito bem trabalhados os modelos de soldados, heróis e agentes. Uma coisa que já vem de outros games na série Total War, é a questão da diplomacia, pois nem tudo nesta vida é guerra. A Diplomacia aqui ficou simplificada e mais fácil, podendo contatar os representantes de outros territórios a qualquer momento de sua jogada para oferecer tributos, acordos comerciais alianças ou demandar tudo isso em troca de segurança. Agora o sucesso da negociação não depende mais do nível do seu diplomata e sim da sua capacidade de barganhar um bom acordo, o que torna as coisas bem mais reais.

A evolução de seu império tanto em níveis de sociedade quanto de tecnologia também deve ser utilizada com sabedoria e inteligência, pois o seu povo e automaticamente o seu governo refletem seus atos. Trazendo a cidade para um regime militar por exemplo, a taxa de crescimento populacional diminuirá, ao passo que a população se sentirá segura. Construindo templos religiosos e construções civis em geral você aumentará a felicidade do povo mas não espere soldados dessa cidade e por aí vai.

Mas o que mais chama atenção aqui, de novo, é a guerra! As batalhas se aproximam muito do que todo jogador de RTS sempre quis: Exércitos gigantes, com milhares de unidades, batalhas marítimas, cercos a grandes cidades protegidas por muros de pedra, flechas flamejantes, formações de batalha históricas, comandantes gritando incentivos enquanto as duas frentes de batalha se chocam. E você no controle de tudo. Agora, não se engane! Não é tão simples comandar tanta gente quanto parece. Pra isso o jogo traz atalhos para formações de batalha específicas para cada situação, ou você pode fazer a sua própria formação.

Fica aqui esta indicação para quem curte jogos de estratégia em tempo real. Como disse antes, apesar de não ser 100% RTS, o jogo consegue se diferenciar dos demais positivamente pelo nível de realismo nas batalhas. Bom Jogo!

ERIC_ASS

  • Miho

    AAaggghhhh preciso. comprar. todos. os. jogos!!!!