SR74
Filme visto em: 24 de maio de 2014 | Cinemark Tucuruví

SINOPSE

No futuro, os mutantes são caçados impiedosamente pelos Sentinelas, gigantescos robôs criados por Bolívar Trask (Peter Dinklage). Os poucos sobreviventes precisam viver escondidos, caso contrário serão também mortos. Entre eles estão o professor Charles Xavier (Patrick Stewart), Magneto (Ian McKellen), Tempestade (Halle Berry), Kitty Pryde (Ellen Page) e Wolverine (Hugh Jackman), que buscam um meio de evitar que os mutantes sejam aniquilados. O meio encontrado é enviar a consciência de Wolverine em uma viagem no tempo, rumo aos anos 1970. Lá ela ocupa o corpo do Wolverine da época, que procura os ainda jovens Xavier (James McAvoy) e Magneto (Michael Fassbender) para que, juntos, impeçam que este futuro trágico para os mutantes se torne realidade.

SR74BCRÍTICA RENEGADA

Speak out galera renegada, beleza?

É nesse clima de estreia, com aquele friozinho na barriga diante do novo, que eu digo que comecei com o pé direito, pois X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é um filme muito bom que cumpre o que promete, arruma o que precisa, empolga em vários momentos e nos prepara para uma nova fase dessa franquia que é tida como uma das mais problemáticas dos quadrinhos. Uma fase em que os erros cometidos antes não se repitam e que, finalmente, dê aos filhos do átomo uma cinematografia digna dos heróis mais legais da Marvel!

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é inspirado no arco de quadrinhos escrito por Chris Claremont e desenhado por John Byrne que foi publicado nos EUA em 1981 em Uncanny X-Men #141-142. Já no Brasil foi publicado em Superaventuras Marvel 45 e 46 pela editora Abril e Marvel 40 Anos no Brasil, pela Panini, com o mesmo título do filme.

O filme foca em duas linhas temporais. A primeira se concentra em um futuro distópico onde os Sentinelas criados pelo Governo norte-americano são capazes de identificar e exterminar mutantes e seres-humanos com potencial de gerar descendentes com o gene com mutação. Além disso, os robôs são capazes de adaptar-se ao poder mutante de seu oponente, tornando-se praticamente indestrutíveis. Isso acontece graças a uma justificativa bastante coerente e que se torna um dos principais conflitos da trama. E como para cada futuro catastrófico, sempre há uma resistência, no caso dos filhos do átomo, não seria diferente: um pequeno grupo do que resta da equipe dos X-Men se une e luta contra os Sentinelas tendo apenas um minúsculo trunfo contra essa quase indestrutibilidade dos robôs, uma habilidade recém-adquirida por KittyPride (Ellen Page) que, além de atravessar superfícies sólidas, pode também transportar a consciência de qualquer pessoa para o passado. Os mutantes então recebem alertas vindos do futuro e evitam que sejam localizados e mortos pelos Sentinelas. Tudo isso nos é mostrado na primeira cena do filme em que podemos ver Mancha Solar (Adan Canto), Destrutor (Lucas Till), Colossus (Daniel Cudmore), KittyPride, Bishop (Omar Sy), Apache (Booboo Stewart), Blink (BingbingFan)e Homem de Gelo (ShawnAshmore) em um entrosamento de uma equipe que luta junta há anos: uma boa luta, umas porradas federais, poderes que realmente parecem reais (Tks CGI) e muitos mutantes em ação! (Aqui vale um adendo mais do que especial para as cenas protagonizadas por Blink e seus portais: CARACA!).

Então, depois do primeiro grande respiro que o espectador pode dar logo após essa cena fantástica, já somos apresentados ao plot principal: O Professor Xavier(Patrick Stewart) aparece e propõe, juntamente com Magneto(Ian McKellen), a volta da consciência do Professor para os anos 1970 afim de que ele possa evitar que Mística cometa um ato crucial que determinou todo o futuro calamitoso. No entanto a viagem dilaceraria o cérebro de Xavier, o que tornaria sua viagem fatal. Mas e se essajornada fosse feita por alguém que se regenerasse rapidamente? E quem faz isso? WOLVERINE (Hugh Jackman pela sétima vez)!

É a partir daí que somos apresentados aos lindos e gloriosos anos 1970, com suas calças boca de sino, suas cores, seus embalos de sábado à noite, os óculos aviador, os hippies “letthesunshine in” e seus topetes esvoaçantes. Em meio a esse arco-íris cultural, temos o contraponto da Guerra do Vietnã, as corridas armamentistas e o nascimento de uma tecnologia que quer, a todo custo, eliminar os mutantes, o próximo grande risco à supremacia humana! Nesse ínterim vemos os jovens Charles Xavier (James McAvoy), Magneto (Michael Fassbender), Fera (Nicholas Hoult) e Mística (Jennifer Lawrence) mais separados do que nunca e perseguidos por seus próprios demônios pessoais, desde as conseqüências de X-Men: First Class. É aí que vemos o principal papel de Wolverine: ao invés de ser decisivamente porradeiro nos momentos cruciais, ele deve somente unir esses personagens que, no passado, nunca pareceram tão diferentes, para que o futuro sombrio não aconteça. Mas como juntar um Xavier sem poderes e amargurado a um Magneto impiedoso e enclausurado e a uma Mística obstinada, sozinha e perdida entre seus valores pessoais? É isso que Wolverine terá que descobrir e aprender.

O carcaju então usa de acontecimentos e segredos para convencer um Xavier quase alcoólatra e ripongaa ajuda-lo, mesmo que sua descrença em si mesmo e em toda essa aparente bagunça de viagem no tempo sejam evidentes. Mas para unir Magneto a esse esquema mirabolante, será precisa uma ajuda veloz!

SR74D

E então somos apresentados ao personagem mais controverso e desacreditado desse filme: Mercúrio (Evan Peters)! Um jovem que é persuadido pelo desafio de entrar no Pentágono e resgatar Magneto. Em uma das cenas mais legais (e pastelonas) do filme, vemos o quanto Mercúrio se tornou um personagem precioso para a trama e como pode crescer nos próximos filmes da franquia, (só o uniforme que não salva de jeito nenhum)! Aqui segue um segundo adendo – fiquei esperando por uma piadinha sobre a ligação entre ele e Magneto e, devo dizer que fiquei satisfeitíssima, afinal “minha mãe conheceu um cara que mexia com metais”… Resultado: Magneto poker face!

Nesse meio tempo somos apresentados a BolivarTrask (Peter Dinklage), o idealizador e criador dos Sentinelas. Vemos sua obstinação para que suas máquinas sejam construídas a todo custo, desde a tentativa de inseri-la no programa de defesa norte-americano a seu contato com os inimigos. Essa persistência, no entanto, não tem uma razão especifica a não ser sua aparente preocupação com a extinção da raça humana. Isso se torna claro depois que vemos seus experimentos científicos em outros mutantes que vimos no FirstClass: Emma Frost, Banshee, entre outros. Entendemos daí a motivação de Mística para querer matar Trask: vingança!

Sei que toda essa premissa de viagem no tempo pode parecer confusa e complicada demais. Eu mesma fiquei receosa ao saber que Bryan Singer voltaria e poderia afundar o excelente trabalho feito por Matthew Vaughn em X-Men: First Class. Afinal, Singer é responsável pela bagunça da franquia anterior em que nada se conectava. Além disso, ele é produtor do pior filme do Homem de Aço, Superman: O Retorno. Nada mais óbvio então do que imaginar que ele poderia acabar de vez com qualquer possibilidade de vermos, a exemplo de X-Men 1 e 2, bons filmes dos mutantes. No entanto, com o passar do tempo, dos trailers, das ações promocionais do filme, admito que meu hype e meu positivismo venceram: eu já esperava um grande filme dos meus heróis favoritos da Marvel!

O embate então entre o futuro e o passado se deu muito bem! Enquanto vislumbres do futuro ainda terrível eram mostrados com sentinelas amedrontadores cada vez mais perto de capturar os X-Men, também podíamos acompanhar o desenvolvimento dos personagens do passado e os enfrentamentos entre si, seus questionamentos pessoais e, enfim a cura, mesmo que parcial, de algumas feridas que os impediam de caminhar. Para essa parte, devo aplaudir de pé a atuação de James McAvoy: um grande ator que entendeu um grande personagem! A segunda parte do filme é praticamente focada na restauração emocionante da fé de Xavier em seus próprios valores.

O final dessa história toda: desnecessário para uns, necessário para outros, mas igualmente emocionante e até nostálgico para todos!

SR74C

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é, acima de tudo, um filme que pode sim se tornar especial par os fãs de quadrinhos. É preciso, no entanto, desapegar da HQ dos anos 1980. Deixe o mimimi de lado e aceite que são linguagens e épocas diferentes! Os mutantes são uma das metáforas mais legais quando se trata dos diversos preconceitos que todos temos e de como convivemos (ou não) com o diferente. É possível enxergar a sociedade sob o ponto de vista de um povo que, a todo o momento, sofre com sua possível dizimação por ser a evolução natural dos seres humanos; tanto quanto sob o ponto de vista destes mesmos humanos que temem sua extinção. Será que a convivência pacífica é possível tal qual Xavier sempre quis ou a sobrevivência do mais forte é a solução como Xavier sempre buscou? No final, nem todos são vilões ou mocinhos.

Um adendo final a algumas cenas majestosas de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido:

  1. Magneto levantar um estádio inteiro só para mostrar seu poder e se fazer notar: NIIIICE!
  2. A batalha final em que podemos ver uma parceria entre o Magneto do futuro e a Tempestade de Halle Berry em uma batalha épica e da melhor cena do filme: VERY NIIIIIIICE!

Obviamente que alguns erros da franquia passadas são ignorados. Mas, para mim, as principais perguntas foram respondidas e asfalhas mais medonhas, perdoadas. X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é um filme que, antes de tudo, veio para ser um prólogo do que a franquia promete e, ao mesmo tempo, um epílogo do que já vimos. Não há como negar e amaldiçoar o que já aconteceu, mas a esperança que me dá é que os erros do passado não se repetirão deliberadamente. Erros existem como em qualquer adaptação cinematográfica de qualquer outra obra literária ou de quadrinhos. Os fãs xiitas de HQs estão, pouco a pouco, deixando suas intolerâncias de lado para curtir o filme como a obra audiovisual que ela é. Desde que não me agrida como fã devotada que sou, por favor, agregue!

PS.:Final (prometo, não me alongarei mais): sobre a cena pós-créditos… Ela está lá pra criar certo suspense uma expectativa sobre o que poderemos ver em X-Men: Apocalypse e me empolgou (exceto pelos efeitos bem mais ou menos, mais ou menos). Mas enfim: EN SABAH NUR!

NOTA: icon_pubjoe_clapicon_pubjoe_clapicon_pubjoe_clapicon_pubjoe_clap

Direção: Bryan Singer
Elenco: Adan Canto, Alexander Felici, Andreas Apergis, Anna Paquin, Bingbing Fan, Booboo Stewart, Daniel Cudmore, Ellen Page, Evan Jonigkeit, Evan Peters, Gregg Lowe, Halle Berry, Hugh Jackman, Ian McKellen, Jaa Smith-Johnson, James McAvoy, Jan Gerste, Jennifer Lawrence, Josh Helman, Lee Villeneuve, Lucas Till, Mark Camacho, Massimo Cannistraro, Michael Fassbender, Nicholas Hoult, Omar Sy, Patrick Stewart, Peter Dinklage, Robert Montcalm, Shawn Ashmore
Roteiro: Matthew Vaughn, Simon Kinberg
Produção: Bryan Singer, Lauren Shuler-Donner, Richard Donner, Simon Kinberg
Edição:  John Ottman
Fotografia: Newton Thomas Sigel
Trilha Sonora: John Ottman
Gênero: Ação
País: Estados Unidos
Duração: 132 min.
Ano: 2014
Estúdio: Bad Hat Harry Productions / Donners’ Company / Twentieth Century Fox Film Corporation
Classificação: 12 anos


Não se esqueçam de comentarem, compartilharem
e o que vocês quiserem! Até mais!

assrobs

  • Miho

    briga briga briga briga briga briga briga

  • MAGNETO SHOW OFF!!!!

  • Magneto winsssss /o/

  • Magneto mimimi! Rs

  • Só não entendi a idade do Pietro… Se mandam eles a 40 anos atrás e ele já aparenta ter uns 17.. No futuro ele já é mais velho q os outros x-men.. Tipo tempestade, Colossus, Bobby.. Mas ele tem a msm idade deles nos desenhos e HQ e é até mais novo que alguns. Ainda tem outra coisa.. Com aquele fim… Não faz valer os outros filmes.. Tipo como se tudo que assistimos não tivesse ocorrido. Marvel adora fazer isso ! kkkkkkk Realmente eles não levam em considerações essas coisinhas bobas. Esqueceram de mostrar mais como xavier retornou da morte..

    • Sobre a idade do Pietro rolou uma explicação razoável pelas interwebs: ele seria gêmeo da Wanda, mas devido ao seu sistema acelerado, ele envelheceria mais rápido, por isso os cabelos brancos… Mas isso é meio blah!