Vitrine_Post_JR_DANCE.1

Avante Renegados!
Chegando novamente para falar sobre música. Desta vez vamos falar um pouco sobre o lado técnico da coisa. Um dos principais objetivos da música além de uma forma de entretenimento e uma forma de expressão e arte, é o fato de ela servir para uma ou mais pessoas movimentarem seus corpos de acordo com o ritmo e melodia através de movimentos coreografados ou de livre vontade. Ou dançar… como preferir.

Mas é interessante observar que o objetivo principal da música, ou mais especificamente, de alguns estilos de música não é a dança. Imagine-se dançando a nona de Beethoven inteira… uma que o passinho-pra-lá-passinho-pra-cá encheria o saco de tantas repetições. Outra que para dançar a Nona inteira, você deve usar sapatos acolchoados pela NASA, por que não é exatamente uma música pequena. Músicas Clássicas e eruditas costumam ser mais apreciadas quando bem ouvidas. Em contrapartida, existem músicas com alguma coisa inexplicável que não te deixa ficar parado em uma festa. É engraçado notar que algumas destas músicas transcendem gerações. O que na época dos seus pais era a Coqueluche do verão nos bailes, hoje é o momento trash da balada e nem por isso deixa de ser divertido e animado. Vamos observar como a música para dança evoluiu de lá pra cá.

Entendam por dança, aquelas músicas que ao ouvir na rua você, ou seu pai, ou seu avô involuntariamente mexem o pé ou a cabeça. A muitos anos atrás ali pela década de 40 o sucesso dos bailes era a poderosa In The Mood. Imaginem os jovens abalados pela guerra em Nova York indo aos salões e praças públicas esquecer dos problemas ao som desta música.

Nesta época havia muito taboo entre jovens na questão do sexo oposto, então a música além de uma diversão saudável era a maneira politicamente correta de se aproximar daquela certa menina e manter um contato físico.
Mas como tudo, o mundo evolui e alguns anos mais tarde na década de 50, o gênero Rock and Roll domina o mundo com o seu estilo poderoso de ser, vestir, falar e principalmente se mexer. Enquanto aquele grupo de rapazes de polo e bermudas brancas cantava em coro canções sobre o país, Elvis The Pelvis mostrava o poder de um bom movimento pélvico enquanto tocava violão com sua jaqueta de couro e topete, enlouquecendo as jovens de amor e as mais velhas de raiva e vergonha. Rockabilly era o estilo. Grease a palavra, e adolocentes alucinados por um bom rock e grandes bailes era a moda.

Nos Anos 60, o Rock continua seu domínio através da estrela consolidada de Elvis e outros grandes nomes, mas a revolução musical estava para entrar em seu momento mais poderoso quando a estrela do sucesso de 4 adolescentes de Liverpool brilhou das terras da rainha para o mundo.

Estava no ar a era das bandas, os Bailes eram lotados mas os shows onde todos dançavam consigo mesmos, começavam a contar em maioria. No Brasil não foi diferente pois jovens gênios como Elis, Roberto, Chico e Erasmo lideravam a crescente jovem guarda com músicas que não eram só ricas em melodia e ritmo mas com letras com boas mensagens. Vale lembrar que com o estouro da era das bandas nos anos 60, um pequeno astro surgiu, com seus irmãos vindos de um subúrbio. Uma família de músicos, que em alguns anos, daria ao mundo a maior de todas as estrelas ( e os melhores números de dança ever…)

IMAG_Post_JUKEBOX_DANCE

Lá nos 70, a última década do supremo poder do rock, começamos a conhecer um novo conceito de dança. Os passos complexos do Rockabilly começaram a dar lugar as famosas coreografias. A mais poderosa Boy Band do mundo ditava as regras da dança com hits onde dançávamos imitando robôs, ou todos no baile faziam movimentos coordenados de acordo com a música. Todo mundo igual, e todos sabiam como fazer. Como se mexer, A genialidade do agora adolescente Michael, em conjunto com seus irmãos abria uma nova era para a música para dançar, em contrapartida, a era de ouro se encerra quando o Rei morre. A moda do pop nas pistas de dança deu a oportunidade do rock aderir a uma era mais técnica onde dançar já não importa tanto e apreciar começa a se tornar mais comum. Começa o rock progressivo.

Continua no próximo episódio….

ERIC_ASS