“Há regras em um confronto até a morte?”

1

SINOPSE
Cometer um assassinato com a finalidade de se autopreservar pode ser considerado moral? É possível que algo tão simples quanto uma música dê início a uma revolução? A filosofia pode ajudar Katniss a escolher entre Peeta e Gale? A partir de questões como morte, amor, traição e muitas outras, um grupo de filósofos procura analisar os temas e motivos que fizeram da trilogia Jogos Vorazs uma das maiores distopias de nossa época.

RESENHA

Meu Deus, Que livro profundo.
Eu terminei de ler a trilogia Jogos vorazes recentemente, sendo assim todo seu conteúdo ainda está na minha memória. Então quando comecei a ler Jogos Vorazes e a Filosofia minha cabeça explodia a cada capítulo. Os autores conseguem analisar reações dos personagens de uma forma totalmente crível e faz com que nos coloquemos naquela mesma situação. O Personagem que você mais tem ódio, ou até mesmo aquele que você mais ama,  são tratados como se ele estivessem entre nós e começamos a enxerga-los como simples “seres humanos”.

É um livro ousado. Ousado e perigoso. Personagens que criticamos ou achamos horríveis no livro, como os moradores da capital por exemplo, são comparados a nós a ponto de fazer-nos pensar: Eu sou assim?
O livro é dividido em 7 partes e 19 capítulos, sendo  que cada um analisa um personagem do livro o comparando com algum personagem histórico, lendário ou até mesmo mitológico. O conteúdo do livro ainda traz várias curiosidades,  que para todo leitor que se apaixonou pela obra (assim como eu) faz todo o sentido. Por exemplo, em quem Suzanne Collins se baseou para a construção do carater de Katniss? Cinna, o melhor estilista da capital propaga os ensinamentos de qual filósofo?

Sugiro que você leia o livro de mente aberta. Muitas vezes enquanto lia eu fui pego de surpresa me colocando como um morador da capital, um espectador dos Jogos vorazes ou até mesmo de um guarda. Mas a pergunta que ficou na minha cabeça e que provavelmnte vai ficar na sua por muito tempo é: Se existisse os Jogos Vorazes em nosso país e você não fosse um dos elegíveis, faria algo para mudar?
Termino alertando a todos que só embarquem nessa ímersão de auto-crítica após terminarem de ler toda a trilogia pois os autores analisam os três livros e consequentemente traz elementos de todos.

É uma leitura obrigatória para os apaixonados pela trilogia, mas nem todos estão preparados para absorver todo seu conteúdo. Inclusive eu.

AN2

E este é mais um livro da Coleção Cultura POP, que visa refletir sobre diversas obras da atualidade, como filmes, livros, séries, quadrinhos, de uma perspectiva filosófica de grandes pensadores, tanto atuais, como antigos.

ASSMIKE
Sigam o Mike no twitter: @viciadoemler

  • Ôrra, Mike, que maneiro! Eu adoro essa série de livros que analisa os ‘clássicos’ e novos clássicos, enfim. Eu comprei o do Game of Thrones, que a Miho falou esses dias, e é bem legal tbm.

    Sou fã de Jogos Vorazes, e acredito que tem muito mais por trás do livro do que o que a gente vê como leitor. Esse ~guia~ me interessou, adoro filosofia. 🙂

    Abração, Mike!

  • Bruno

    Muito show a resenha!!!

    Li a trilogia e assisti os dois filmes já lançados.
    Ambos são espetaculares.
    O livro, no entanto tem um ritmo mais lento, até por não haver limite de tempo, mostrando melhor o clima de “Hunger games”, como sendo literalmente jogos da fome, pois a tensão muitas vezes se passa mais por falta de recursos como comida, agua e abrigo do que pelos adversários em si.
    Nesta história, também me agrada a protagonista, pois ela não chega e diz “Certo, sou uma heroina”. Ela é uma pessoa normal que tem habilidades de batalha e sobrevivência por precisar caçar e se virar no dia a dia para poder sobreviver no distrito 12. Seu carisma é natural e não forçado. Ela não decide se tornar a heroína da historia, as coisas simplesmente acontecem seguindo esse rumo.

    Recomendo a leitura desta trilogia muito, Acho interessante até assistir os filmes antes, pois o livro complementa o filme.