Vitrine_Post_EPIQUSIDADE_GODZILLA

Avante Renegados!!

trago-lhes mais uma epiquisidade pura para falar-lhes sobre aquele que foi estrela nos anos 60, não tão estrela em 1998 e agora volta no maior hype!! Com duas sílabas anos de fama a sua frente o Lagarto Gigante radioativo volta para nossas vidas! Godzilla!!

Todos mesmo que jovens já ouvimos falar no Réptil Deus Japonês, seja através de alguma propaganda velha, reprise no SBT, recorte de jornal do seu avô ou algo parecido, O que realmente importa é que mesmo na figura de um japa fantasiado na época do preto e branco, ele já metia um certo respeito. Não sei ao certo se já houveram outros monstros gigantes antes de Godzilla (Não estou contando com o King Kong, pois este não é um monstro, só um macaco incompreendido) pois a sua fama e a continuidade dos filmes produzidos com ele foram tamanhas que simplesmente não houve mais espaço.
Sua história começou em 1954 com o seu primeiro filme homônimo a sua pessoa. Produzido pela Toho Film Company, a ideia era personificar de maneira fantástica o horror e medo trazido pelas armas nucleares. Sério, a destruição de Hiroshima e Nagasaki remondou a cultura japonesa de maneira drástica. Historicamente falando, os japoneses apoiaram o Eixo na segunda guerra, comandado pelos Nazistas, mas dos países que lutaram no epicentro dos confrontos, incluindo a Alemanha, o Japão foi o único que saiu completamente arrasado. Entendam por arrasado, Zerado. Sem nada. Imaginem começar um país praticamente do zero: bem, foi o que eles fizeram. isso afetou a evolução e cultura deles e hoje são o que são. Mas essa cicatriz não vai desaparecer, e grandes artistas nipônicos usam de sua arte para lembrar estes momentos. Godzilla é nada menos do que isso. a personificação da destruição nuclear sobre o país. Algo horrível não? Ou pelo menos era esse o plano inicial. Até que o sucesso veio e 28 longas foram produzidos, alguns trazendo outras criaturas que também se popularizaram no japão como o poderoso Gamera ou Mothra a Borboleta Gigante, e outros colocando o Deus Monstro no papel do Herói.

IMAG_Post_EPQ_GODZILLA1

A Toho Film, não parou por aí e alugou os direitos do uso da imagem de Godzilla para que os jovens produtores japoneses deixassem suas imaginações irem longe. Godzilla foi o primeiro Kaiju ao incorporar-se também no universo Tokusatsu. Existe nas masmorras do tempo um filme onde o próprio Ultraman trava uma batalha corpo a corpo com Godzilla. É válido lembrar que em toda esta patacoalhada as origens do monstro foram mantidas dentro da esquematização original idealizada por Tomoyuki Tanaka. Este estava planejando um filme de terror onde uma das temáticas fossem armas nucleares. Posteriormente veio a ideia de fazer um monstro vindo de um problema nuclear. O problema era que o pequeno Tomoyuki não tinha a cabeça muito boa pra monstros e a ideia original era um macaco gigante. Não deu certo (graças aos céus) pelo fato conflitar com o já existente King Kong (1933, que não é um monstro, eu repito) e de não possuir o impacto que ele pretendia na população. precisava ser grande. uma criatura nunca vista antes. Logo pensou-se em Dinossauros. Nesses aspectos, o primeiro que sempre vem em mente é o Tiranossauro Rex. Mas Tomoyuki quis fazer ainda mais pelo visual. E se tirarmos os bracinhos e colocarmos os fortes braços de um iguanodonte? e no lugar das costas lisas, brotar as grandes barbatanas dorsais do Estegossauro? O resultado foi algo muito próximo do Godzilla como conhecemos. E uma roupa de quase 90 Kg para um coitado corajoso ator chamado Haruo Nakajima especialista e técnico em Suitmation, a técnica de se vestir e filmar sobre as maquetes (os Power Rangers usam até hoje, vamos dar uma chance).
A Aparência de Godzilla estava formada e mesmo com um orçamento modesto, a produção estava caminhando. Novamente era preciso de um ataque de criatividade para se definir que som a criatura iria emitir. Coisas básicas como gritos histéricos abafados e equalizados foram tentados mas somente com a mente maluca do pequeno Tomoyuki e a técnica de Akira Ifukube foi atingido um padrão que seria usado até hoje. Uma experiencia com um contrabaixo clássico e uma tala de borracha criaram o rugido mais icônico de todos os tempos. Nada de efeitos especiais, mixagem, mesas de som e anchovas… somente um instrumento mal afinado, um pedaço de borracha e uma boa ideia.

O monstro estava feito, o ideal estava criado e a história estava implícita. 28 filmes depois ele era a mais famosa criatura do mundo.
Como eu disse acima, depois da venda de direitos autorias, loucuras foram feitas utilizando Godzilla. até mesmo um duelo entre ele e King Kong foi travado e ficou marcado com uma pérola do cinema referenciado em várias mídias (Simpsons, South Park e por aí vai)
O Ocidente finalmente tomou a coragem de produzir um filme do Lagarto em 1956 intitulado Godzilla, O Rei dos Monstros, que mantinha o roteiro do filme original só que com americanos no lugar de Japoneses e a adição de alguns personagens. O sucesso no ocidente se consolidou aí, e abriu as portas americanas para o conteúdo Fantástico Japonês, o que viria anos mais tarde nos presentear com os Power Rangers, a versão americana de uma das muitas equipes de super sentais nipônicos.

O Sucesso no Ocidente abriu as portas para outras mídias, como por exemplo, Desenhos animados por Hanna&Barbera e até HQs produzidas pela Marvel!! sim, pela MARVEL!! Calcule como seria diferente a saga da manopla do infinito ou a guerra civil com Godzilla no meio da história!

IMAG_Post_EPQ_GODZILLA2

mais tarde, com a chegada dos anos 80, algumas trilogias famosíssimas em seu auge e o avanço dos efeitos visuais, Godzilla foi perdendo o seu brilho até permanecer somente como a lembrança de um clássico. O tempo passou e outras tentativas como pequenos filmes tentaram emplacar mas sem grande sucesso. A esta altura o nome Godzilla já fazia parte do folclore japonês. Estava imortalizado de qualquer maneira. Até que em 1998 com a produção executiva de Steven Spielberg, e direção de Roland Emmerich, é lançado O remake Americano do clássico de 1954 é desta vez ambientado em New York City, tendo como protagonista não o lendário monstro, mas um estudioso de radiação nuclear baseado em Chernobyl que ninguém lembra o nome mas todos sabem que em algum universo paralelo ele chegou a curtir a vida adoidado. Como sempre os americanos tem que americanizar e tentar achar um meio plausível e científico para explicar tudo. Neste caso a raiz da origem de Godzilla se manteve centrada em algum desastre nuclear qualquer, mas para piorar a situação, inventaram que Godzilla, nosso amado Godzilla é uma Mãe!! Até chegar ao inesperado ponto de incluir um ninho e filhotes de Godzilla atacando exatamente como os velociraptors em Jurassic Park. Chega a dar um desespero na minha alma… Ok, estou sendo muito duro. Na minha infância eu adorava este filme a ponto de aluga-lo semanalmente. Mas hoje consigo ver que único propósito desse longa é mostrar que Matthew Broderick gastou todo seu talento como Ferris Buller talvez…

IMAG_Post_EPQ_GODZILLA3

É valido lembrar e muito válido, que este filme rendeu uma série de desenhos animados bancada pelo Cartoon Network, produzida pelos mesmos caras que fizeram a série animada dos Homens de Preto.. Trágico… simplesmente trágico… e eu adorava também…

depois disso, Godzilla permaneceu nas mentes das pessoas mais jovens no formato americano durante bons anos (O filme de 1998 passa até hoje nas tardes de domingo da Globo).
Até que fomos presenteados no ano passado com um pequeno teaser do 2014 nos reservaria:

Finalmente a hora está chegando de vermos a que veio este novo Godzilla depois de tantos anos afastado do cinema!
Com base nos trailers e TVSpots que vi, desenvolvi uma forte opinião sobre o filme que virá:

#SVPS…

Nos vemos no cinema!

ERIC_ASS

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSR #72 | TRAPAÇA
Próximo artigoER | O JOGO INFINITO