vitrinemenor

Olá você, olha eu aqui de novo em cima da hora pra falar sobre o BRASIL, calma, calma aqui #NãoVaiTerCopa eu vou falar um pouco sobre meu assunto preferido, Quadrinhos… dessa vez mais especificamente de como anda o cenário nacional atualmente, então vamos nessa.

Bem como o intuito aqui é falar sobre o cenário brasileiro e não dos quadrinhos especificamente (claro que alguns serão citados) vou separar por categorias, e a primeira delas será “tambores Miho”…

EVENTOS – Desde que eu era garoto frequento pequenos e grandes eventos desse meio, nem consigo me lembrar qual foi minha primeira Fest Comix ou Anime Friends, mas os primeiros que frequentei foram os bons e velhos eventos da Nona Arte, uma pequena loja especializada que havia aqui em Mogi das Cruzes (Uma pena ter fechado), conheci artistas como Mario Cau e até o Zé do Caixão lá #BonsTempos. De lá pra cá o que eu sinto que mudou nesse meio foi a expansão do publico, talvez o fato de os super-heróis terem tomado conta das telonas tenha despertado toda uma nova geração de fãs. A expansão dos eventos em si, cada vez mais eventos e cada vez maiores, obviamente o crescimento dos fãs faria com que esse tipo de evento crescesse, a velha lei da oferta e demanda. E por ultimo mas não menos importante a mídia especializada, com certeza o surgimento de blogs, videocasts e podcasts falando e difundindo o assunto ajudou com que o publico viesse a conhecer esses festivais, atraindo mais atenção até mesmo da mídia convencional.

189173_213924255407811_87334637_n

Vou citar aqui alguns dos eventos aos quais já fui e minha impressão sobre eles:

FestComix – Possivelmente o primeiro evento de grande porte que eu visitei, a FestComix é sem dúvidas o melhor evento para se gastar dinheiro, e em verdade vos digo: – Todo dinheiro do mundo, lá é pouco. Isso por que são inúmeras ofertas entre mensais, encadernados, graphic novels, action figures e itens de colecionador como armas e réplicas de várias espécies. Você consegue economizar uma boa grana nos itens que são vendidos em massa, mas revistas raras podem comer toda sua grana, então todo cuidado é pouco, e o ideal é você fazer uma lista antes e se ater a ela, aproveita e coloca os preços de cada item pra ver se realmente esta valendo a pena, pois nem toda oferta é realmente compensadora. #DicadoBrubs 😉

AnimeFriends – Creio que esse é o evento que eu mais frequentei nesse curto período da minha existência, apesar de não ter visitado nas ultimas duas edições. O AF como é popularmente conhecido é provavelmente o maior evento de cultura Nipônica do nosso país, Mangás e Animes são sem dúvida alguma o carro chefe do evento que tem como principais atrações: dubladores, bandas que tocam músicas de anime \../, e muitos, muitos cosplayers (tem cospobre também rs). Gosto de ir no AF pra conhecer gente nova e pra comprar muito mangá, a e claro tomar doses cavalares de Mupy :B.

FIQ – Como diria nossa ouvinte Kelleni “O melhor evento da minha vida \o/”. O que dizer do evento que  me fez chorar de emoção? Cara não sei nem por onde começar… bem acho que um ponto muito forte do FIQ é a presença de grandes nomes dos Quadrinhos internacionais, eu fui na ultima edição e pude stalkear conhecer nomes como Eduardo Risso (100 Balas), Geoff Johns (Lanterna Verde e Aquaman) e o grande George Pérez (Mulher-Maravilha, Crise nas Infinitas Terras e LJA vs Vingadores). Claro que os grandiosos brasileiros como Mauricio de Sousa e Laerte também marcaram presença, isso sem contar com o espaço maravilhoso que eles dão para os novos artistas e para os independentes, é realmente uma grande vitrine. Acho importante dizer que anúncios de novos títulos e lançamentos são muito importantes em eventos como esse e o FIQ mandou muito bem nesse quesito, destaque para o anuncio da segunda leva das Graphic MSP feita pelo Sidney Gusman e o próprio Mauricio, com a presença de todos os artistas do selo em uma cerimônia que me fez suar pelos olhos :’).

Esse ano é a vez das Comic Cons marcarem presença, seguindo os moldes do maior evento do gênero que acontece em San Diego, teremos a Multiverso Comic Con 23 e 24 de Agosto lá em Porto Alegre, e aqui em São Paulo teremos a Brasil Comic Con dias 15 e 16 de novembro (saiba mais clicando aqui) e também a Comic Con Experience de 4 a 7 de dezembro (bem no meu aniversário /o/) e eu espero realmente poder ir em todas elas e avaliar esse novo momento de perto.

892650_396665300467038_2126046352_o

PROJETOS – Bem projeto é um termo bem amplo, mas eu vou categorizar qualquer “ideia” ou meio que viabilize que histórias em quadrinhas sejam feitas e/ou distribuídas, não sei ao certo se é a melhor forma de classifica-los mas o que importa é que eles vem contribuindo para o crescimento e difusão desse meio, e o primeiro deles é…

Graphic MSP – O projeto editorial mais importante do momento é sem dúvida a graphic msp. Tudo começou quando o editor chefe da Mauricio de Sousa Produções Sidney Gusman resolveu reunir Cinquenta artistas para um álbum único e comemorativo o MSP 50 Artistas (Mauricio de Sousa por cinquenta artistas), o álbum comemorava nada mais nada menos que os cinquenta anos de carreira desse grande mestre, em resumo a ideia deu tão certa, foi tão bem recebida que surgiram mais três álbuns com cinquenta artistas cada, totalizando 150 artistas, mais os artistas do Ouro da Casa.

E o sucesso continuou, aparecendo assim de forma natural e orgânica o selo Graphic MSP, graphic novels com releituras de personagens do Mauricio pela ótica de outros artistas, um verdadeiro sucesso de critica, vendas e tudo mais que se possa querer. O projeto sem dúvida alguma revelou inúmeros talentos dos quadrinhos nacionais numa tacada só, tirando das sombras aqueles artistas independentes, e mostrando ao publico o belo trabalho que eles já faziam.

Catarse – O Catarse é sem dúvida um ponto de virada na história dos quadrinhos aqui nas terras tupiniquins, o melhor meio de se produzir material independente já foi grampear papel A3 com a arte impressa, passou a ser publicar em um blog ou site hoje a dupla Damasceno e Garrocho (Achados e Perdidos) mostraram um outro caminho, a ferramenta do crowdfunding. Com isso é possível que autores financiem peças tão bem (ou mais) trabalhadas que uma editora faria, o Catarse de destaca no meio, mas é preciso lembrar que existem outros sistemas parecidos que também funcionam, no mês anterior a essa publicação o quadrinho do meu amigo Flávio Luiz o Capoeirista 2” foi financiado via kickante. Essas ferramentas contribuem e muito para que autores possam realizar o sonho da publicação sem depender de uma grande editora, e acaba por revelar novos talentos a cada projeto bem sucedido, tenho orgulho de dizer que boa parte dos projetos de financiamento coletivos bem sucedidos são quadrinhos e isso mostra a força dessa nova galera.
(se estiver lendo essa matéria no mês de publicação você pode ajudar esse projeto aqui > DORA) #DicadoBrubs2 ;). 

HQMIX – Premiações como o Troféu HQMIX podem ser categorizadas como eventos, projetos entre outras coisa, mas de uma forma ou de outra o inegável é a importância que prêmios em reconhecimento a novos talentos têm dentro desse cenário. Assim como no exemplo anterior é preciso lembrar que existem outros prêmios e que todos eles são importantíssimos para fortalecer a indústria dos quadrinhos, mas para exemplificar nada melhor do que um prêmio que vai para sua Vigésima sexta edição esse ano não é mesmo? O prêmio vem reconhecendo e homenageando os melhores trabalhos do meio a cada ano, e obviamente só cresceu durante todo esse tempo, hoje o prémio é o que muitos classificam como o Oscar dos Quadrinhos brasileiros, e como todo grande prêmio evidenciam os seus condecorados, alavancando vendas e por que não dizer carreiras.

Outras dezenas de projetos vem ajudando o crescimento do meio, exposições como a “Ícones dos Quadrinhos” do Ivan Freitas, realizada no FIQ e que acabou virando um livro ajudam a gente a conhecer o trabalho de novos artistas e  tenho que destacar inclusive projetos do governo como o Proac que é um programa de incentivo cultural, onde os projetos contemplados ganham ajuda para sua realização seja por meio de concursos ou incentivos fiscais, e também a decisão do MEC de incluir quadrinhos nas bibliotecas de escolas públicas que com certeza estimula com que os quadrinhos sejam vistos como literatura desde cedo. 

1119784_346507535482815_1833610035_o

ARTISTAS – É claro que a peça chave e fundamental em todo esse quebra-cabeça são os artistas, pessoas notáveis já figuram nos quadrinhos a muito tempo, mas o avanço da tecnologia permitiu que esses talentos fossem cada vez mais evidenciados, e os “novos artistas” souberam aproveitar essa janela e também o caminho que a “vanguarda” abriu pra fazer jus ao gênero, hoje podemos dizer que esses artistas estão começando a ganhar o respeito que eles merecem, nomes como Danilo Byruth (Atronauta e Bando de Dois), Cris Peter (Astronauta e Casanova), Ana Luiza Koehler (Beco do Rosário HQ), e os gêmeos  e Moon (Casa Nova e Daytrippper) que figuram com trabalhos internacionalmente reconhecidos, indo desde o mercado Americano (o mais competitivo do mundo) até o franco-belga, temos o pessoal dos Comics de Super-heróis como Ivan Reis (Lanterna Verde e Aquaman), Daniel HDR (X-Men Forever e Legião dos Super-Heróis) e Mike Deodato JR (Hulk e New Avengers) todos esses fazendo grandes trabalhos a um bom tempo e grandes responsáveis para que olhos exteriores nos olhassem com mais apresso, e é claro pessoas como Vitor Cafaggi (Turma da Monica Laçoes e Valente), o casal Paulo Crumbim e Cristina Eiko (Quadrinhos A2 e Gnut) entre tantos outros que ganham cada vez mais destaque com obras totalmente “made in Brazil”.

A verdade é que são tantos nomes que se eu fosse falar aqui seria uma lista infinita, mas de uma forma geral eu posso finalizar dizendo que esse caminho vem sendo construído ha muito tempo a base de muito trabalho, a coisa era muito mais difícil quando o Mestre Mauricio criou a “turminha”, ou quando Laerte, GlaucoAngeli faziam a Chiclete com Banana, e não foi muito mais fácil para o Marcelo Cassaro e a Erica Awano a frente do primeiro Mangá de sucesso brasileiro (Holy Avenger) mas o que todos eles tiveram foi coragem, coragem de seguir em frente nesse sonho mesmo com um cenário tão adverso e com tantas barreiras, de ir na contra-mão da lógica de se ter um emprego comum e estável para que hoje esse cenário fosse respeitado. Ele são os verdadeiros heróis, mais do que qualquer um dos heróis dos quadrinhos, essa galera construiu um sonho, uma utopia, que hoje se tornou realidade, hoje podemos dizer que da pra se viver de quadrinhos no Brasil.

assbrubsc
@bruno_renegados

  • Oi Brubs!

    Achei sensacional o post! Aprendi a gostar de quadrinhos com o tio Sousa, mas a valorizar MESMO foi só depois de grandinha, com algumas dicas renegadas e pans. O cenário crescer é uma coisa, mas o cenário crescer de forma madura e competitiva é outra bem diferente, e fico feliz de ver o Brasil encaixado maravilhosamente na segunda opção. 🙂

    Beijo pra tu ;*

    • Valeu Quel =)

      Pra mim é um orgulho tremendo ver isso acontecer, fã de quadrinhos desde moleque é ótimo hoje poder ter orgulho da quantidade e da qualidade desses caras.
      Continue lendo quadrinhos e seguindo as dicas Renegadas 😉 rsrs

      Bjss =***

  • Pingback: BRUB´S ON TIME | WEBCOMICS BRASILEIRAS | Renegados Cast()